Não existe outra alternativa

Talvez você saiba, talvez não, mas ontem, dia 17 de Junho de 2020 o Banco Central do Brasil optou por um novo corte na SELIC, que é a taxa básica de juros do país.

E com isso, a nossa taxa que já foi de absurdos 173% ao ano em 1990, hoje é de 2,25%.

Mas o que isso significa na prática?

Que o termo “TINA” do inglês “there is no alternative” ou “não existe outra alternativa” em tradução livre, se tornou mais válido do que nunca.

Em outra palavras, qualquer pessoa com algum nível de capital disponível, que queira usar o dinheiro para ganhar mais dinheiro será forçada a migrar para investimentos de maior risco.

Além disso, empresas, e o próprio governo, que possuem dívidas atreladas a esse indexador, passaram a pagar menos juros, já que agora a correção será menor e com isso passam a ter um ganho fiscal.

Porém, você deve estar se perguntando: e eu? O que eu ganho com o corte da SELIC?

E aqui, precisamos entender um contexto mais geral da atual conjuntura econômica do país.

Inegavelmente estamos diante de uma crise.

O Brasil já vinha de uma caminhada de recuperação econômica lenta, e agora, com boa parte da economia parada a quase 3 meses, tomamos mais um baque.

O corte da taxa básica de juros serve especialmente para isso.

Com os “investimentos seguros” rendendo menos, existe maior estímulo para as pessoas ou consumirem, ou investirem em ativos de maior risco.

E é aqui que as coisas começam a ficar interessantes para o empreendedor.

Quando comecei a empreender em 2014, a SELIC era de cerca de 11% ao ano, 5 vezes maior do que a atual.

Isso significa que qualquer negócio que quisesse capital, precisava oferecer um retorno no mínimo equivalente quando ajustado pelo risco.

Ou seja, na prática, para uma startup ou empresas de capital fechado de modo geral, se o investidor não visse a capacidade de ver o seu capital se multiplicando por 5 ou 6 vezes em pouco tempo (leia-se 2 ou 3 anos), ele não tinha incentivos para investir.

Afinal, por que arriscar perder dinheiro, se tenho a opção de investir em algo que gera um retorno interessante e com alta liquidez, além de segurança na renda fixa?

Hoje porém, com 2,25% ao ano, a única utilidade real da SELIC e da Renda Fixa “tradicional”, é a que ela sempre deveria ter tido: uma forma segura de se guardar dinheiro para o uso diário, ou para oportunidades.

Ou seja, a renda fixa deixou de ser um “investimento para quem quer ganhar dinheiro”, e passou a ser uma forma de “manter o valor” do dinheiro, enquanto o investidor busca por oportunidades reais de ganho.

E isso cria uma conjuntura única para qualquer empreendedor.

Novamente, estamos atravessando um momento conturbado, onde as empresas estão sofrendo com o fechamento da economia, mas ao mesmo tempo, quem tem dinheiro para investir não possui mais a opção de não investir em negócios caso busque retornos elevados.

Assim, se você fez o dever de casa ao longo dos últimos meses, está em uma posição onde seus competidores estão fragilizados, e você, tem a melhor chance da história do país em conseguir capital.

Estratégias de M&A, captação de recursos, emissão de dívidas, e várias outras se tornaram disponíveis.

A minha sugestão?

Estude cada uma dessas opções, entenda as linhas de financiamento e crédito disponíveis, mapeie seu mercado e busque opções para M&A, e se julgar interessante, busque investidores.

Como a história já mostrou, as empresas vencedoras aceleram na crise.

E nunca existiu uma crise com condições tão boas para se acelerar no Brasil.

Compartilhe esse artigo

Deixe uma resposta

Continue Lendo: Outros artigos que você pode gostar

No Gestão 4.0 nossa missão é ajudar gestores e líderes de negócios a inovarem e gerarem mais resultados.

Se você quer aprender com alguns dos melhores empreendedores do país, preencha o formulário e receba nossos conteúdos gratuitos.

Descubra como você pode se tornar um Gestor 4.0

Conteúdo sobre negócios, marketing e vendas no seu celular