O Diabo Nos Detalhes

Você já assistiu ao filme “A Origem”?

Trata-se de um suspense lançado em 2010 e dirigido por Christopher Nolan (o mesmo do Batman).

A ideia do filme possuí como plano de fundo uma realidade onde é possível se infiltrar nos sonhos de outra pessoa.

Mais do que isso, você pode manipular e construir os sonhos de outra pessoa.

E com isso, extrair e implantar informações.

Obviamente, a pessoa que está tendo seus sonhos “invadidos” não percebe.

Porém, isso cria uma situação interessante.

Uma vez que você sabe que isso é possível, e mais ainda, que você é uma das pessoas especializadas nesse tipo de atividade, como garantir que o que está vivendo em um dado momento não é simplesmente um sonho manipulado?

No filme a solução proposta são os chamados “Totens”.

Objetos comuns do dia a dia, mas que somente seus donos realmente conhecem.

O peso de um dado, quanto tempo o um pião pode girar, o lado em que uma moeda viciada cai.

Enfim, o totem é um símbolo, que se comporta de uma forma diferente no mundo dos sonhos e no mundo real.

Ao longo do filme somos então apresentados aos totens de alguns personagens, incluindo ao do “Cobb” o personagem principal interpretado por Leonardo DiCaprio.

Todos acreditamos que o seu totem é um pião que nunca para de girar no mundo dos sonhos.

E ao final do filme, justamente na última cena, onde aparentemente nosso herói teria um final feliz, ele coloca o pião para girar em cima da mesa, e o filme acaba, sem que consigamos ver se no final do dia, o pião parava ou não de girar.

Para muitos aquilo foi um suspense final, talvez até a indicação de uma continuação para o filme.

Mas como diz o ditado, o diabo vive nos detalhes.

O que a maioria das pessoas só percebeu, ou descobriu muito tempo após o lançamento do filme, era que o pião usado por Cobb não era o seu totem.

Aquele objeto era simplesmente uma lembrança da sua esposa.

O verdadeiro totem do nosso personagem principal era a sua aliança.

Ele somente a usava no mundo dos sonhos.

Mas tudo bem, por que contei a história do filme?

Para te fazer pensar sobre os detalhes que você tem ignorado.

Veja, todo bom gestor sabe que não tropeçamos em montanhas, mas sim, em pequenas pedras.

Porém, é preciso aprender a ir além.

Não basta olhar pelas pequenas pedras no meio do caminho, mas sim, aprender a identificar outros objetos nos quais podemos tropeçar.

Assim como no filme não bastou acompanhar o pião para saber se estávamos vendo uma cena dentro de um sonho ou no mundo real, você precisa estar atento para os sinais menos óbvios e conhecidos tanto de problemas, quanto de oportunidades.

Por isso, fica aqui o convite para que nessa semana que está começando, você se pergunte menos sobre os detalhes que você já sabe que precisa acompanhar, e mais a respeito daqueles que estão sendo ignorados.

Compartilhe esse artigo

Compartilhe a sua opinião

Continue Lendo: Outros artigos que você pode gostar

No Gestão 4.0 nossa missão é ajudar gestores e líderes de negócios a inovarem e gerarem mais resultados.

Se você quer aprender com alguns dos melhores empreendedores do país, preencha o formulário e receba nossos conteúdos gratuitos.

Descubra como você pode se tornar um Gestor 4.0

Conteúdo sobre negócios, marketing e vendas no seu celular