Newsletter

O segredo da felicidade

– Mestre, qual o segredo da felicidade?
-Não discutir com idiotas.
-Não concordo que esse seja o segredo.
-Você tem toda razão!

Acho que todo mundo já ouviu essa piada pelo menos uma vez na vida.

O mais engraçado porém, é quanta verdade ela carrega.

Apesar do tom de humor -e sarcasmo – essa pequena história exemplifica um dos maiores desafios de qualquer gestor: conversar com pessoas com as quais ele discorda.

Para fins cômicos, na piada essas pessoas são chamadas de “idiotas”, porém, na vida real as coisas não são bem assim.

É muito comum que enquanto gestor, você precise ter conversas difíceis, com pessoas com as quais você não concorda, e claro, isso não vai te deixar feliz.

Em vários momentos, você ouvirá seu time dizendo algo que você internamente pensará ser o ápice da ignorância.

Em outras, ouvirá isso de seus pares, ou até mesmo, de seus superiores.

Porém, você nunca deve se esquecer que o seu julgamento é baseado na sua percepção.

Assim, existe um enorme gap entre você achar uma afirmação, uma ideia ou uma pessoa idiota, e ela realmente ser.

Por isso, enquanto líder ou gestor, você precisa aprender a separar a sua percepção da realidade, da realidade em si.

E como fazer isso?

Jeff Bezos e Ray Dalio possuem algumas liçòes bastante interessantes sobre o tema.

Do fundador da Amazon, podemos nos inspirar no conceito de “Disagree But Commit”.

Esse conceito basicamente diz que quando pessoas confiáveis sugerem algo com o qual você não concorda, mas que elas acreditam ser o correto, normalmente o melhor caminho é expressar a sua discordância, mas se comprometer a ajudar a fazer com que aquilo dê certo.

Ou seja, passar menos tempo discutindo, e mais tempo mantendo a mente aberta de forma positiva para novas possibilidades.

Já o gestor do maior Hedge Fund do planeta, e autor do livro Princípios, recomenda que todos tenhamos o hábito de ouvir opiniões contrárias de pessoas que respeitamos.

Ou seja, ouvir ideias divergentes vindas de pessoas que respeitamos, para que assim, estejamos mais abertos a reconsiderar nossos próprios pontos de vista.

Isso significa que não existem ideias idiotas?

Claro que não, a maioria das ideias são ruins, inclusive as suas, e as minhas.

Porém, nem sempre as coisas são o que parecem.

E por fim, nunca se esqueça: ideias valem 10 centavos a bacia, o que importa mesmo, é uma boa execução.